loader
  • slidebg1

  • slidebg2

  • slidebg3

BEM-VINDO A HIGIENÓPOLIS REMOÇÕES!

Empresa especializada em remoções psiquiátricas.
A EMPRESA
HÁ 36 ANOS NO MERCADO, A HIGIENÓPOLIS REMOÇÃO ESPECIALIZADA É UMA EMPRESA COM RECONHECIDA EXPERIÊNCIA EM RESGATE À PACIENTES COM NECESSIDADES DE ATENDIMENTO PSIQUIÁTRICOS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA.

NOSSAS EQUIPES SÃO FORMADAS POR PROFISSIONAIS EXPERIENTES E ESPECIALIZADOS EM ENCAMINHAMENTOS PSIQUIÁTRICOS, PRIVILEGIANDO A SEGURANÇA E TRANQUILIDADE QUE CADA CASO REQUER.

ENTENDEMOS A NECESSIDADE DE URGÊNCIA DE CADA ATENDIMENTO, PORTANTO, DISPOMOS DE AMBULÂNCIAS EQUIPADAS PARA EMERGÊNCIAS NESTE SEGMENTO, ESTAMOS PREPARADOS PARA ATENDER TODOS OS DIAS, COM PLANTÃO 24HS EM QUALQUER LOCALIDADE DO TERRITÓRIO NACIONAL.



Imagem 1

Ambulância vista externa

Imagem 2

Ambulância vista externa

Imagem 3

Ambulância vista interna - painel

Imagem 4

Ambulância vista interna

Imagem 5

Ambulância vista interna

Imagem 6

Ambulância vista interna

HIGIENÓPOLIS NA MÍDIA
A HIGIENÓPOLIS JÁ PARTICIPOU DE PAUTAS IMPORTANTES SOBRE DEPENDÊNCIA QUÍMICA NAS PRINCIPAIS EMISSORAS DO PAÍS. CONFIRA ABAIXO:

Fantástico - Globo

Profissão Repórter - Globo

Programa do Ratinho - SBT

Jornal da Noite - Bandeirantes

Conexão Repórter - SBT

CONVÊNIOS


Convênios
13 princípios NIDA


PRINCÍPIOS DE TRATAMENTO EFICAZ
PRINCÍPIO 1
Um único tratamento não é apropriado para todos os indivíduos.

PRINCÍPIO 2
O tratamento precisa estar prontamente disponível.

PRINCÍPIO 3
Um tratamento eficaz é aquele que atende às diversas necessidades dos indivíduos e não apenas ao uso de drogas.

PRINCÍPIO 4
O tratamento de um indivíduo e o plano de serviços devem ser continuamente avaliados e modificados quando necessário para garantir que o plano atenda às necessidades mutantes da pessoa.

PRINCÍPIO 5
A permanência no tratamento por um período adequado de tempo é essencial para sua eficácia.

PRINCÍPIO 6
Aconselhamento (individual e / ou em grupo) e outras terapias comportamentais são componentes cruciais para um tratamento eficaz.

PRINCÍPIO 7
Medicações são um elemento importante no tratamento de vários pacientes, especialmente quando combinadas com aconselhamento e outras terapias comportamentais.

PRINCÍPIO 8
Indivíduos com distúrbios mentais que sejam dependentes das drogas devem ser tratados de maneira integrada de ambos os problemas.

PRINCÍPIO 9
Desintoxicação médica é apenas o primeiro estágio do tratamento e por si mesma contribui pouco para mudança a longo prazo de uso de droga.

PRINCÍPIO 10
O tratamento não precisa ser voluntário para ser eficaz.

PRINCÍPIO 11
O possível uso de droga durante o tratamento deve ser monitorado continuamente.

PRINCÍPIO 12
Programas de Tratamento devem proporcionar avaliação para AIDS/ HIV, Hepatite B e C, Tuberculose e outras doenças infecciosas e Aconselhamento para ajudar pacientes a modificarem comportamentos de risco de infecção.

PRINCÍPIO 13
A recuperação da Dependência Química pode ser um processo a longo prazo e freqüentemente requer vários episódios de tratamento.

Fontes:
NIDA – National Institute on Drug Abuse National Institutes of Health
UNIAD - Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas
SAIBA MAIS
O ABUSO E A DEPENDÊNCIA DAS DROGAS É UM GRANDE PROBLEMA ENFRENTADO POR TODA A SOCIEDADE.

ALÉM DOS PREJUÍZOS SOCIAIS, AS DROGAS CAUSAM GRAVES DISTÚRBIOS FÍSICOS NOS SEUS USUÁRIOS. O CONHECIMENTO DOS EFEITOS DANOSOS CAUSADOS PELAS DROGAS A SAÚDE, PODE AJUDAR NA PREVENÇÃO DO SEU USO.
Álcool

O uso de bebidas alcoólicas é tão antigo quanto a própria Humanidade. Beber moderada e esporadicamente faz parte dos hábitos de diversas sociedades. Determinar o limite entre o beber social, o uso abusivo ou nocivo de álcool e o alcoolismo (síndrome de dependência do álcool) é por vezes difícil, pois esses limites são tênues, variam de pessoa para pessoa e de cultura para cultura.
Estima-se que cerca de 10% das mulheres e 20% dos homens façam uso abusivo do álcool; 5% das mulheres e 10% dos homens apresentam a síndrome de dependência do álcool ou alcoolismo. Sabe-se também que o álcool está relacionado a 50% dos casos de morte em acidentes automobilísticos, 50% dos homicídios e 25% dos suicídios. Freqüentemente pessoas portadoras de outras doenças mentais (p. ex., ansiedade, pânico, fobias, depressão) apresentam também problemas relacionados ao uso de álcool.
O consumo de álcool está ligado a diversas consequências para o indivíduo que o consome, para aqueles que estão à sua volta e para a sociedade como um todo. Consequências como acidentes de trânsito, problemas no trabalho e com a família e violência interpessoal têm sido o foco de interesse e de atenção pública e de estudos científicos nos últimos anos.
O impacto que o uso de álcool estabelece nas redes sociais como um todo é fruto tanto do prejuízo que essa temática causa na produtividade econômica quanto da atenção e dos recursos gastos pela justiça criminal, pelo sistema de saúde e por outras instituições sociais.

Consequências:
O consumo de álcool excessivo pode levar ao desenvolvimento de doenças crônicas. Problemas psiquiátricos como, depressão, ansiedade e agressividade.
Problemas vasculares como hipertensão.
Problemas cardíacos como infarto, cardiomiopatia e taquicardia.
Problemas no fígado como cirrose e a hepatite alcoólica.
Problemas gastrointestinais como pancreatite e gastrite.
Perda de memória, déficit cognitivo, dificuldade para articular palavras e movimentos, mudanças comportamentais entre outros.
Nos Homens ainda pode interferir na produção de hormônios e resultar em impotência e infertilidade.
Nas Mulheres pode interromper o ciclo menstrual e causar infertilidade, abortos e nascimentos prematuros.
Anfetamina

Bolinha, Rebite, Ice (fumada em cachimbo)

As anfetaminas formam uma classe de várias substâncias, algumas com indicações médicas e venda controlada e outras fabricadas em laboratórios clandestinos e consideradas drogas ilícitas.
As anfetaminas são drogas sintéticas estimulantes, ou seja, estimulam o sistema nervoso central, provocando aumento das capacidades físicas e psíquicas. A pessoa sente necessidade de movimentação, associada ao aumento da concentração e da atenção.

Efeitos
Insônia, inapetência, intensificação da atividade psicomotora, midríase, taquicardia, aumento da temperatura corporal, aumento da pressão sanguínea, fadiga, apatia, psicose anfetamínica (alteração neurológica causada pela superdosagem), convulsões, depressão, agressividade, delírio e suicídio.

Tipos de anfetamina
Dietilpropiona: Hipofagin S, Dualid S, Inibex, Moderine Fenproporex, Desobesi M, Lipomaxc AP, Inobesin.
Mazindol: Dasten, Fagolipo, Absten Plus, Diazinil, Dobesix. Mentanfetamina: Pervitin, Ecstasy
Metilfenidato:Ritalina
Cocaína

Neve, brilho, pó, carolina, branquinha

O hábito de mascar folhas de coca entre a população nativa dos Andes existe a pelo menos 5000 anos. Tal hábito visava a amenizar o cansaço e a fome. As baixas concentrações da substância nas folhas tornam improváveis as chances de dependência entre seus usuários. Os casos de dependência tornaram-se mais freqüentes a partir do século XIX quando a cocaína foi isolada de suas folhas.
A cocaína é extraída das folhas da coca, que contém cerca de 0,5 - 2% da substância.
A cocaína em pó, utilizada por via intranasal (cheirada) ou o hábito de mascar as folhas produzem efeitos menos intensos, porém de maior duração. Quanto mais intenso e curto é o efeito desencadeado, maiores as chances de dependência pelo usuário.
A cocaína é um estimulante. O consumo de cocaína provoca aceleração da velocidade do pensamento, inquietação psicomotora (dificuldade para permanecer parado, até quadros mais sérios de agitação), aumento do estado de alerta e inibição do apetite. Alterações do humor são passíveis de grande variabilidade, indo da euforia (desinibição, fala solta) a sintomas de mal-estar psíquico.
A duração do efeito depende da via de administração escolhida: cerca de 30 minutos quando cheirada e menos de 10 minutos quando fumada ou injetada . Ao final o usuário geralmente fica 'fissurado', isto é, com vontade de consumir mais.

Sintomas psíquicos
Aceleração do pensamento, inquietação psicomotora, aumento do estado de alerta, inibição do apetite e fala, medo, labilidade do humor, variando da euforia ao mal-estar.

Sintomas físicos
Aumento da freqüência cardíaca, aumento da temperatura corporal, aumento da freqüência respiratória, aumento da transpiração, tremor leve de extremidades contrações musculares involuntárias (especialmente língua e mandíbula), tiques e dilatação da pupila (midríase).
Durante o consumo pode levar a problemas cardíacos, como o infarto do coração;
O consumo de grandes quantidades pode causar convulsão;
Consumir com freqüência durante vários meses pode levar a depressão, ansiedade,deixar a pessoa irritada, impulsiva e cansada.
Cheirar cocaína com freqüência pode danificar o interior do nariz.
Crack

Pedra

O crack é a forma cristalizada de cocaína na sua forma de base livre.
Quando o cloridrato de cocaína é aquecido em meio básico (água e bicarbonato de sódio, ou amônia em água destilada), a cocaína se desprende de sua forma salina e precipita na forma de cristais de cocaína livre.
O crack é fumado em cachimbos improvisados ou de vidro.

Cinco a sete vezes mais potente do que a cocaína, o crack é também mais cruel e mortífero do que ela. Possui um poder avassalador para desestruturar a personalidade, agindo em prazo muito curto e criando enorme dependência psicológica.

As primeiras sensações são de euforia, brilho e bem-estar, descritas como o estalo, um relâmpago, o "tuim", na linguagem dos usuários.
O uso contínuo leva a saturação dos receptores pós sinápticos, responsáveis pela transmissão de sensações. Por isso, há um aumento das doses durante o consumo para se ter o mesmo efeito.

São comuns queimaduras nos lábios, na língua e no rosto pela proximidade da chama do isqueiro no cachimbo, no qual a pedra é fumada.
Dores de cabeça, tonturas e desmaios, tremores, magreza, palidez e nervosismo são alguns sintomas da droga.
Outros sinais importantes são; euforia, desinibição, agitação psicomotora, taquicardia, dilatação das pupilas, aumento de pressão arterial e transpiração intensa. Há risco de hemorragia cerebral, fissura, alucinações, delírios, convulsão, infarto agudo e morte.
Ecstasy

Bala, pílula, pastilha, droga do amor

O Ecstasy é uma droga sintética derivada da anfetamina, com propriedades estimulantes e alucinógenas, por isso denominada de "anfetamina psicodélica".Capaz de causar bem- estar, conforto, empatia e conexão com outros.
A droga pode provocar euforia, desinibição, ansiedade e intensa sensação de sociabilidade. Porém, existem casos onde os efeitos são exatamente ao contrário: ao invés de prazer, a pessoa pode ser tomada por uma sensação de paranóia e pânico, além de profunda depressão.

Efeitos
Boca seca, bruxismo, desidratação, dilatação da pupila, aumento da pressão e ritmo cardíaco, aumento da temperatura corporal, diminuição do apetite, isquemia cerebral, hemorragia, lesão no fígado, sudorese (suor excessivo), paranóia, agressividade, ansiedade e insônia.

Suas propriedades neurotóxicas foram sendo demonstradas ao longo dos anos noventa. O sistema serotoninérgico, responsável pelo controle do humor e dos impulsos, parece ser o mais atingido e lesionado pelo consumo repetido da substância.
Haxixe

O Haxixe é uma substância extraída das folhas da cannabis sativa, uma planta herbácea da família das Canabiáceas - a mesma planta usada para produzir maconha. Porém enquanto a maconha tem 4% de THC (tetrahidrocannabinol), o Haxixe concentra até 14%.
O Haxixe se classifica em três tipos:

1 - A erva que se obtém das folhas, caules e sementes secas da planta;
2 - A resina que é feita do liquido que sai da planta;
3 - O óleo, que é a parte mais forte do Haxixe.

O consumo é feito através do fumo em cachimbos, ingerido sozinho ou com água em uma espécie de chá. O Haxixe causa muitos efeitos dependendo do organismo daquele que ingere a droga. Se assemelham aos efeitos da maconha, porém muitos mais intensos devido a grande diferença de THC.
Dentre eles: boca seca, aumento de apetite, aumento da libido, sorriso involuntário, perda de interesse pelos estudos ou trabalho, náuseas, cefaléias, euforia, sensação de relaxamento, queda da tensão arterial, noção de tempo e espaço alteradas, diminuição dos reflexos, aumento da freqüência cardíaca, prejuízo da memória recente.

Quando consumida em doses bastante elevadas, esta droga pode ainda produzir ansiedade intensa, pânico e quadros psicológicos de gravidade considerável, por exemplo, paranóias e alucinações.
O consumo contínuo e prolongado pode levar a uma síndrome de desânimo generalizado, em que a desmotivação constante sugere uma aparente derrota da vida.
Heroína

Consumida através de injeções, fumada ou aspirada pelas narinas.

A heroína pertence ao grupo dos opiáceos, que na medicina são usados para a supressão da dor. Tal como o ópio e a morfina, é feita a partir da resina das papoilas. O ópio, esbranquiçado, tipo seiva é removido em primeiro lugar da cápsula da flor da papoila. Este ópio é refinado para fazer a morfina, depois ainda mais refinado em diferentes formas de heroína.

Tendo aparecido como um substituto da morfina, devido à rápida dependência que esta originava, a heroína revelou-se um medicamento muito potente contra as dores, mas com um grau de habituação ainda superior. Assim, os dependentes de morfina rapidamente se tornaram dependentes de heroína.
Curiosamente, a denominação “heroína” advém da expectativa de feitos "heróicos" conseguidos sob o efeito desta droga.
A dependência física é grande, isto é, o corpo passa a necessitar da droga para o seu funcionamento celular normal.

Algumas manifestações físicas provocadas pelo uso de heroína são:
Aumento da sensação de bem-estar, estimula as células nervosas, provoca intensa euforia, provoca sono, gera sensação de paz e de fuga da realidade, provoca reações alérgicas na pele, diminuição da freqüência respiratória, queda da pressão sanguínea, relaxamento dos músculos, lentidão nos reflexos, dificuldades na fala, delírios, contração das pupilas, rubor nas faces e diminuição do libido.
A overdose da heroína pode provocar lesão cerebral e até morte.

A ressaca pela falta da heroína pode causar náuseas, vômitos, pupilas dilatadas, sensibilidade à luz, elevação da pressão sanguínea e da temperatura, dores em todo o corpo, insônia, crises de choro, tremores e diarréia.
Inalantes

Os inalantes estão presentes em diversos produtos. A maior parte deles é vendida comercialmente. São encontrados nos esmaltes de unha, na cola de sapateiro e nos removedores de tinta.
Os mais utilizados são o lança-perfume, a cola de sapateiro, sendo também populares a acetona, esmalte de unha, thinner, benzina, gasolina, clorofórmio e éter.
A maior parte destes produzem efeitos semelhantes aos anestésicos, que diminuem as funções do corpo. Depois de uma elevação inicial e perda da inibição vem a sonolência, mal–estar, dores de cabeça e agitação.
Os produtos químicos são absorvidos rapidamente através dos pulmões para a corrente sanguínea, alcançando o cérebro e outros órgãos, causando às vezes danos físicos e mentais irreversíveis.

Transtornos da fala, aparência de bêbado, incapacidade de coordenar o movimento, alucinações e delusões, hostilidade, apatia, falta de discernimento, inconsciência, fortes dores de cabeça, erupções ao redor do nariz e da boca.
Cheirar estes produtos químicos de forma prolongada pode induzir a sérias complicações cardíacas, e até à morte por asfixia em questão de minutos.
LSD

Doce, ácido, gota, papel, microponto.
Cápsulas, comprimidos, tiras de gelatina e "selos" impregnados.

O LSD é um dos químicos mais potentes alteradores do humor. É obtido a partir do ácido lisérgico produzido em laboratório.
O LSD é uma droga que produz distorções da percepção da realidade, pela ocorrência de verdadeiras alucinações, e que pode ter como efeitos uma sensação de bem-estar, de plenitude e de leveza, uma maior agudeza sensorial, uma consciência muito apurada, sentimentos místicos de profunda união com os outros, distorção da percepção de sons, imagens e também do tato, o incremento da disposição e da resistência física, sendo possível chegar-se à exaustão, alterações na noção de espaço e de tempo e êxtase.
É eficaz em quantidades notavelmente pequenas. Uma dose média de 25 microgramas pode produzir efeitos significativos durante 10 a 12 horas. Sua potência é impressionante.

Algumas reações do uso agudo ou crônico do LSD:
Alteração das percepções visual, gustativa, tátil, auditiva e olfativa.
Sensação de perda do limite entre o espaço e o corpo, sensação de pânico e medo, reações psicóticas representadas por alucinações, delírio, labilidade afetiva, depressão, surtos de esquizofrenia, distúrbio de memória, reflexos exaltados, tremores corporais, náuseas, tonteira, distúrbios visuais.
Perda do controle dos pensamentos, aumento da freqüência cardíaca, elevação da pressão arterial e convulsão.
Maconha

Baseado, fininho, dólar, beck e pacau.

É a droga de entrada para consumo das outras drogas. Barata e de fácil acesso.
Seu emprego é mais comum sob a forma de “cigarros”. Brotos e folhas ressecados, esverdeados, soltos ou prensados em formato de tijolos, são picados ou esfarelados ('dischavados') e enrolados em papel ('sedas'), formando cigarros ('baseado', 'beck') para serem fumados. Os fragmentos também podem ser adicionados a massas de bolo para serem ingeridos ('crazy cakes’).

A maconha é considerada um alucinógeno, isto é, faz o cérebro funcionar de forma desconcertante e fora do normal e seu princípio ativo é o delta nove tetrahidrocanabinol (THC). O THC produz vários efeitos: avermelhamento da conjuntiva dos olhos (olhos injetados), redução da imunidade pela queda dos glóbulos brancos, sinusite crônica, faringite , constrição das vias aéreas, atua sobre o equilíbrio, movimentos e memória.
A potência da droga é medida de acordo com a quantidade média de THC encontrada.
A maconha comum contem uma média de 3% de THC,.
A variedade “sinsemilla” (sem semente, que só contem botões e as flores da planta fêmea) tem uma média de 7.5% de THC, mas pode chegar a ter até 24%.

Em geral, o uso é seguido por alterações nos sentidos (visão, audição, olfato), cognitivas (pensamento, memória e atenção) e de humor. Há alterações da noção de tempo e espaço e ilusões (distorções na percepção de objetos reais) visuais e auditivas. O humor pode variar de um estado eufórico (marcado por risos imotivados, fala solta e sensação de bem-estar) à sintomas de mal-estar psíquico, como tristeza, sensação de pânico e perda do controle (medo de enlouquecer). O pensamento se lentifica e as associações de idéia ficam menos coerentes, tendendo à mudança de assunto ou à incapacidade de articular o pensamento com a mesma facilidade habitual. Há um aumento exagerado do apetite, voltado principalmente para o consumo de carboidratos (“larica").

Efeitos Físicos
Taquicardia, hiperemia conjuntival, boca seca, hipotermia, tontura, retardo psicomotor, redução da capacidade para execução de atividades motoras complexas, incoordenação motora.

Efeitos Psíquicos
Despersonalização, desrealização, depressão, alucinações e ilusões, sonolência, ansiedade, irritabilidade, prejuízos à concentração, prejuízo da memória de curto prazo, letargia, excitação psicomotora, ataques de pânico, paranóia e prejuízo do julgamento.
OXI

Oxidado, rapadura do diabo

Sua composição, que leva cal virgem e até querosene, dá uma ideia do poder devastador e tóxico que possui.
Conhecido pelo nome de "óxido" ou “oxi", o entorpecente é obtido da mistura da pasta base de cocaína com querosene, gasolina, cal virgem ou solvente usado em construções.

A droga é geralmente consumida numa mistura com o cigarro comum ou com o cigarro de maconha, ou ainda fumada em cachimbos de fabricação caseira, como o crack. O nome oxi, uma abreviação de “óxido” ou "oxidado", vem do fato da droga liberar uma fumaça escura ao ser usada, deixando um resíduo marrom, de cor semelhante ao da ferrugem (oxidação) nos metais.
Tanto o oxi quanto o crack possuem o mesmo princípio ativo, que é a pasta de cocaína. A fabricação da chamada "pasta base" (da qual também são feitos a cocaína em pó, o crack e a merla) se dá a partir da utilização de uma substância alcalina e um solvente, em geral amoníaco ou acetona, para que se possa extrair a maior quantidade possível do princípio ativo da planta, que é a responsável pelo efeito principal da droga no sistema nervoso. Para se transformar em oxi, a pasta recebe uma nova quantidade de solvente e alcalino, só que desta vez, os produtos utilizados são o querosene e a cal, bem mais tóxicos do que os solventes utilizados para fazer o crack e a cocaína em pó, mas também mais acessíveis e baratos.

O poder do oxi é indiscutivelmente destrutivo e pode causar lesões sérias da boca até os rins. Os componentes da droga afetam diferentes partes do corpo. O querosene ou gasolina, combinados com o calor, provocam ferimentos nos lábios, nas papilas gustativas da língua, ferimentos no esôfago e corroem os dentes.
Provoca náuseas, vômitos, tosse, sensação de sufocamento, tremores e até convulsões. Os vapores de cal usados na composição do óxi causam irritação aos olhos, perda parcial da visão, podendo ocasionar cegueira.
O cal virgem pode provocar fibrose pulmonar e os químicos adicionados à droga vão para o fígado. O uso da droga aumenta ainda as chances de doenças como cirrose hepática e o acúmulo de gordura no órgão. Como é extremamente nociva ao organismo, pode levar a perda da consciência, ocasionando parada cardíaca, coma e à morte em pouco tempo.

A sensação de euforia causada por esta droga é bastante passageira, durando cerca de 10 minutos apenas. O que faz o usuário usá-la ainda mais e ter efeitos nocivos ao organismo mais rapidamente. Ela chega ao cérebro entre 7 a 9 segundos e causa, além da euforia, depressão, paranóia e medo.

CONTATO